Coleções

14 09 2011

Eu coleciono pilhas-palito involuntariamente. Por causa do mp3 (no me gusta Ipod), tenho várias gastas na gaveta, já que não quero jogá-las no lixo e ainda não achei um lugar perto de casa que as aceite. Também ando colecionando livros, com preferência pra literatura fantasiosa, young adult, com capas e lombadas bonitas; se for hardcover, melhor ainda (meu salário tem sérias objeções a isso, mas eventualmente chegamos a um acordo). Coleciono links de albuns e fotos legais do Deviantart.com, que por sinal é uma ótima maneira de passar o tempo. Também coleciono coisas da ilustradora Rebecca Dautremer, e já difundi esse hábito lá na livraria.

Meu irmão coleciona mp3 de bandas indie, britânicas ou qualquer outra coisa que soe underground. Que eu sempre acabo mostrando pra mais alguém, que mostra pra mais alguém, fica mainstream, vai parar na Capricho e ele acha que vai morrer de ódio. Nós dois colecionamos insultos, de preferência os criativos que acabam em risadas e “de onde você tirou isso???”. Minha mãe sempre ganha quando entra na competição. Também colecionamos fofocas familiares, amplamente divulgadas aos domingos depois do almoço.

Tenho amigos que colecionam artigos de determinado assunto, histórias de bêbado, tombos, fotografias e reclamações. Aliás, colecionar reclamações é quase um hobbie.

Coleciono problemas antigos, remoídos, remastigados e reutilizados sempre que minha cabeça descansa por cinco minutos, o que não é nada saudável, mas são ítens colecionáveis cada vez mais populares. Coleciono mais decepções do que gostaria pros meus parcos vinte e cinco anos, mas acho que esses podem entrar na categoria das reclamações. Ou dos exageros. Coleciono cadernos, cadernetas e bloquinhos que me dão angústia quando penso que provavelmente nunca vão ser preenchidos por puro bloqueio emocional. Coleciono paixões instantâneas temporárias, que por sinal são uma delícia quando acontecem, de preferência quando são unilaterais e platônicas. Coleciono rostos de pessoas que passaram pela minha vida, mas não lembro os nomes nem porquê lembro delas, mas lembro, e é isso que importa.

Com esse texto, aumento minha coleção de coisas colocadas pra fora sem revisão, sem final, despretenciosas e difícil de colocar um ponto final. Gostaria de ter um rumo pra elas, mas isso fica pra outra coleção.

Anúncios